Um orfanato perto de Rangoon

O contexto birmanês

A Birmânia tem mais de 135 grupos étnicos diferentes, todos com sua própria língua e às vezes até mesmo alfabeto. Há 10 anos, o país está em um caminho democrático, com Aung San Suu Kyi representando o poder e a libertação do povo birmanês. Hoje, de volta a um sistema totalitário, os grupos étnicos em torno do Estado central governado pelos ditadores estão lutando por sua liberdade. Foi neste contexto que iniciamos nosso primeiro projeto lá em 2010 e desde então apoiamos dois outros projetos, no estado de Chin e no vilarejo de Kanpyu, próximo ao Irrawaddy.

Este projeto tem sido desenvolvido por nossa associação e pelo povo birmanês local desde 2010.

A equipe no local

Marie (Ni Hlei Par), retratada à esquerda, é a iniciadora desta caridade. Com a ajuda de sua equipe, incluindo Adam e Hannah, ela cuida dos órfãos e administra o centro. Ela é a força motriz por trás deste projeto ao qual dedica sua vida e todo seu tempo.

As atividades do centro

Faltam-nos os meios para dar-lhes um lugar estável para viver, mas ainda somos capazes de suprir suas necessidades em termos de educação e saúde. Nosso centro também os ajuda a crescer bem, permitindo que se envolvam em muitas atividades criativas e formativas. Os computadores estão à sua disposição para despertá-los para o mundo da tecnologia, tão presente em nossa sociedade.

Todos eles aprendem a cozinhar, e sabem exatamente de onde vem sua comida. Desde a semente que plantam, passando pela colheita das frutas e legumes, até o preparo e alimentação, eles estão cientes do ciclo do qual participam.

A pocilga e os leitões que lá nascem regularmente também contribuem para o ambiente natural e para a vida do lugar. Cuidar dos animais é uma fonte de diversão e dá às crianças um senso de responsabilidade, ao mesmo tempo em que as familiariza com outras formas de vida.

O pequeno jardim do centro lhes permite praticar alguns de seus esportes preferidos (futebol, basquete, vôlei, ciclismo, badminton, etc.).

Do lado espiritual, eles aprendem a amar o próximo e a ter fé na vida e no que ela tem a oferecer. É seguindo o caminho do protestantismo que eles despertam espiritualmente, mas no que diz respeito à nossa associação, não importa qual seja a religião ou crença deles. Quando se trata de ajudar crianças necessitadas, temos que olhar além disso. O importante é acreditar em algo, acreditar em um futuro melhor. E eles acreditam. É através da fé que eles são capazes de se olhar para trás. Na Birmânia, as orações incluem um longo momento durante o qual as pessoas falam sozinhas, tão alto quanto querem, e tudo ao mesmo tempo. Eles expressam seus medos, seus desejos, suas esperanças, e todas as emoções que carregam dentro deles são descarregadas. Os órfãos enfrentam seus problemas e aprendem a lidar com eles.